Nos ares em um teco-teco (Dia 1)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dois aviões a postos no deserto. Os pilotos acomodam os viajantes nos assentos, apertam os cintos e decolam. Pelo sistema de comunicação, combinam o roteiro, sem muitos detalhes. A ideia é mesmo pegar os turistas de surpresa.

Não demora muito até o primeiro “uau” escapar no microfone. À medida que o avião ganha altitude, o mar de dunas vermelhas se perde no horizonte. Nem um possível mal-estar com a instabilidade do teco-teco desvia o olhar da janela.

Cerca de 30 minutos de voo e o deserto de Sossusvlei vai ficando para trás. O Atlântico invade a Conception Bay e por pouco não enterra as ruínas do famoso naufrágio Eduard Bohlen.

Como se tivesse um carro nas mãos, André pousa o avião na praia deserta. Em qualquer direção, o azul do céu encontra o branco estonteante da areia. Não há pessoas, animais ou aldeias ao redor. Nesse ponto, nem o oceano aparece.

A primeira parada é para aliviar o calor, esticar as pernas e recuperar o fôlego. Assim, no meio do nada, os pilotos André e Jan abrem o isopor e servem água, refrigerante, chá e bolachas. Todos se acomodam na sombra das asas do avião.

A viagem segue rumo ao norte. As máquinas sobrevoam agora Swakopmund, a única cidade pelo caminho. Cidade é bondade. Uma pequena vila salpicada de resorts coloridos, onde Brad Pitt e Angelina Jolie passaram férias. Mais adiante, em Cape Cross, uma voz exaltada no fone de ouvido rompe o silêncio. Uma colônia de focas se estende por quilômetros lá embaixo. Os pilotos alternam manobras radicais para que todos façam bons cliques.

Os aviões ainda fazem outro pouso na praia – dessa vez, alguns pescadores preenchem o local com suas varas e molinetes – antes de avançarem sobre as ancestrais formações Ugab. Uma cadeia de montanhas pretas que poderiam ter sido trazidas da lua.

Já é fim de tarde quando chegamos ao destino final: Huab Valley. O dia termina com o jipe que nos leva ao acampamento Kuidas Camp. E a noite segue sem luz elétrica, com banho de balde, jantar caseiro à luz de velas e telescópio. Para ver com detalhes todas as estrelas que cobrem o céu.

Sobre Camila Anauate

De alma inquieta e mente aberta, que me fizeram jornalista, viajante, aventureira, sonhadora sem-fim
Esse post foi publicado em Namíbia e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s