Pães, doces (e brioches) da corte de Versailles

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ah, os brioches de Maria Antonieta… Resistiram à fúria do povo faminto, à queda da realeza. Ainda bem que o chef da corte, Jean-Baptiste Dalloyau, salvou as tradicionais receitas de pães e doces servidos durante séculos aos nobres. E as levou para além do mundo de Versailles.

Jean-Baptiste era um visionário. Sabia que depois da Revolução Francesa a burguesia iria imitar o art de vivre aristocrático. Fundou, então, na Paris de 1802, a maison de gastronomie Dalloyau. Ele queria vender tudo o que a corte comia. Mais: transmitir o savoir-faire da família e continuar a história.

História que começou com o Rei Sol. Luís XIV ficou enfurecido ao provar um pão numa recepção em Chantilly, mais delicioso do que o de Versailles. Era 1700 e ele “roubou” na hora o boulanger Charle Dalloyau.

E, assim, quatro gerações dos Dalloyau trabalharam para a realeza. Eles tinham o título de Officier de bouche, a mais alta distinção da gastronomia francesa da época. Jean-Baptiste foi o último a deixar Versailles.

Séculos depois, a Dalloyau ultrapassou as fronteiras da França – isso ele não imaginava. A marca tem hoje 40 lojas no país e 25 pelo mundo, 13 só no Japão. Em 2007, movimentou 65 milhões. A Dalloyau faz parte do Comité Colbert, formado por empresas que representam o luxo e o art de vivre francês.

Fácil entender. As vitrines chiquérrimas das lojas enchem os olhos, molham a boca (e esvaziam o bolso). Pães, caramelos, trufas, macarons coloridos: tudo é lindo e caro – uma pequena caixa de chocolate não sai por menos de 20 euros. “Nossas coleções seguem tendências atuais de cores e modelos”, diz a vice-presidente da empresa, Stéphane Raymond-Bernardé.

A cada coleção, novas criações. Mas alguns produtos não saem de moda. O Gâteau Opéra, de café com chocolate, foi criado em 1955 e ainda é o mais vendido (e copiado). Mais famoso do que os brioches. O que diria Maria Antonieta?

Dalloyau: www.dalloyau.fr

Sobre Camila Anauate

De alma inquieta e mente aberta, que me fizeram jornalista, viajante, aventureira, sonhadora sem-fim
Esse post foi publicado em França e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s